Videos

Publicado em 28 de jan de 2016. O novo boletim divulgado nesta quarta-feira (27) aponta também que 270 casos já tiveram confirmação de microcefalia, sendo que 6 com relação ao vírus Zika. Outros 462 casos notificados já foram descartados. Ao todo, 4.180 casos suspeitos de microcefalia foram registrados até 23 de janeiro.

TECPAR APOIA EMPRESAS PARA ATENDER RESOLUÇÃO SOBRE LACTOSE




O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) pode ajudar empresas do ramo alimentício a se adequarem a uma nova resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A Resolução RDC 26/2015 determina que, até 2019, todos os alimentos que contenham lactose em sua formulação devam apresentar a informação na embalagem.
De acordo com a resolução da Anvisa, a declaração da presença de lactose será obrigatória nos alimentos com mais de 100 miligramas de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto – neste caso a embalagem deve levar a expressão “Contém lactose” em seu rótulo.
A gerente do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente, Daniele Adão, explica que o Tecpar está equipado para avaliar a presença de lactose no limite de 0,1%, conforme exigência da legislação. “Desta maneira, o instituto pode ajudar as empresas a se adequarem a essa resolução, confirmando, por meio de testes laboratoriais, a quantidade de lactose presentes nos alimentos, bem como o consumidor, para que possa se sentir seguro quanto aos produtos que compra”, pontua.
A agência reguladora informa ainda que, em até 24 meses, todos os alimentos disponíveis no mercado deverão atender a nova regra. Este prazo foi definido, de acordo com a Anvisa, com base no tempo necessário para que a indústria e seus fornecedores se adéquem à resolução.
RÓTULOS – O limite de 100 mg foi definido pela Anvisa com base na experiência de outros países, que já adotam esta regulação, como Alemanha e Hungria. Esse limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose, informa a agência.
Com a instituição dessas regras, segundo a Anvisa, o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem para a lactose: “zero lactose” ou “baixo teor”, para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido e “contém lactose”, para os demais alimentos com presença deste açúcar.
ENZIMA – A lactose, conhecida como o açúcar do leite, é processada no intestino por uma enzima denominada lactase, antes de ser absorvida pela corrente sanguínea. Algumas pessoas, no entanto, apresentam deficiência de lactase, a enzima que processa a lactose. Na falta dessa substância, a lactose é fermentada no intestino, podendo causar desconforto abdominal, com sintomas como diarreia, flatulência, dor e distensão abdominal e, em alguns casos, até vômito.









Biotério da Funed é reconhecido pela qualidade em produção animal



Na última terça-feira, 21/3, representantes da Rede Mineira de Bioterismo (RMB) visitaram o Biotério da Funed e ficaram muito bem impressionados com o desempenho da equipe e com a qualidade do trabalho realizado. “Foi muito gratificante ver o envolvimento e a dedicação de toda a equipe, desde a lavagem das caixas até aos cuidados com os animais. Todas as normas e exigências da legislação nacional estão sendo seguidas”, relatou Vera Peters, coordenadora da Rede.

Vera Peters estava acompanhada pelo Sr. Ricardo Palhares, Responsável Técnico (RT) do Centro de Biologia da Reprodução da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e pela Drª Ekaterina Rivera, Presidente da Sociedade Brasileira de Ciência em Animais de Laboratório (SBCAL), membro ad hoc da RMB e também do Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA), Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA/OIE) e Associação de Avaliação e Acreditação de Laboratórios de Cuidados de Animais (AAALAC). O grupo enfatizou que a Funed se adequou rapidamente à nova legislação, de 2008, que determinava a criação de uma Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) e cadastro e credenciamento na Plataforma CIUCA (Cadastro das Instituições de Uso Científico de Animais) e o Serviço de Biotério a instituir um Médico Veterinário exclusivo como RT. A equipe da CEUA foi, inclusive, convidada a testar a nova Plataforma CIUCA.

“Somos uma equipe dedica com o bem estar animal e é muito gratificante e honroso receber elogios dos nossos esforços junto a representantes de imensa reputação na área de Ciências Animais de Laboratório”, relata Lucas Araújo, chefe do Serviço de Biotério da Funed.

O Biotério da Funed

Coordenado pelo biólogo Lucas de Sousa Araújo, servidor efetivo da Funed, o Serviço de Biotério faz parte da Divisão de Produção Animal da Diretoria Industrial, produzindo animais de qualidade para a produção e desenvolvimento de soros e vacinas, avaliação e controle de produtos biológicos, estudos farmacológicos, toxicológicos e outros. Ainda no Laboratório de Saúde Animal deseja desenvolver análises parasitológicas, hematológicas e microbiológicas para equinos, serpentes, coelhos e camundongos. Sua principal finalidade será monitorar a saúde das diferentes espécies animais que são mantidas nos Serviços pertencentes à Divisão de Produção Animal. Além da necessidade de animais definidos geneticamente, o estado sanitário dos mesmos é considerado de extrema importância, garantindo a qualidade da produção e controle de imunobiológicos.

A CEUA

A Comissão de Ética no Uso de Animais da Funed é uma instância independente, colegiada e interdisciplinar, instituída no ano de 2009, pela Portaria 040, de 04 de agosto de 2009. Visa analisar e qualificar, do ponto de vista ético, as atividades experimentais envolvendo o uso de animais de laboratório na Funed, considerando a relevância do propósito científico e o impacto de tais atividades sobre a preservação da vida, o bem estar e a proteção dos animais.

Sua composição é feita por servidores da Funed e um representante da Sociedade Protetora dos Animais. Os membros são voluntários e têm participação bianual, podendo haver troca dos membros a qualquer tempo, por motivos diversos.




Para saber mais sobre a CEUA e conhecer sua composição completa, acesse http://10.23.112.246/memoria-institucional/conselhos-comissoes-e-comites/comissao-de-etica-animais/






Estudantes da UEPB visitam o Lafepe



            Como parte da programação curricular, estudantes do 8º período do curso de Farmácia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), que fica em Campina Grande, visitaram a estrutura do Lafepe na manhã desta quarta-feira, dia 29. O grupo, formado por 14 alunos, conheceu de perto as etapas do processo de produção dos medicamentos, o controle de qualidade e os galpões de armazenamento de matéria-prima, embalagens e produtos acabados.
Nestas áreas, os universitários puderam conferir todas as medidas adotadas para o bom desempenho do laboratório pernambucano, considerado referência no setor farmacêutico e acadêmico em todo o país. Como resultado desta visita, os alunos devem produzir relatório para apresentação na disciplina de tecnologia farmacêutica, ministrada pelo professor Geovani Pereira Guimarães, que acompanhou o grupo.

Servidores municipais do Paraná podem se capacitar com apoio do Governo do Estado


Servidores municipais paranaenses podem agora se qualificar em um novo programa do Governo do Estado, o Capacita Paraná EaD, realizado pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) em conjunto com o Serviço Social Autônomo (Paranacidade), órgão ligado à Secretaria do Desenvolvimento Urbano (Sedu). Nesta segunda fase, 15 cursos estão com inscrições abertas até o dia 13 de abril.

O Capacita Paraná EaD, que tem como objetivo o aperfeiçoamento dos servidores dos municípios do Paraná para a melhoria dos serviços prestados à população, começa suas atividades no dia 2 de maio.

Do programa consta a oferta de cursos em diversas áreas de administração, planejamento, auditoria, contabilidade, licitações e contrato, gestão de pessoas e na área jurídica. Cada curso tem duração de 20 horas, deve ser acessado totalmente pela internet, em qualquer horário, e deve ser concluído em até 40 dias.

Para um melhor aproveitamento e para que os servidores consigam realizar mais cursos, caso desejem, o Capacita Paraná EaD será dividido em diversas fases, que se estenderão por, pelo menos, um ano.

Cursos
Nesta fase, são ofertados 15 cursos: Auditoria Pública; Burocracia e Gestão da Política Pública no Brasil; Contabilidade Pública; Elaboração de Atos Normativos; Elaboração de Relatório e Parecer; Ética na Administração Pública; Gestão de contratos Públicos; Gestão Estratégica de Pessoas no Setor Público; Interpretação e Produção de Texto; Licitação, Contratos e Convênios; Planejamento, Orçamento Público e Lei de Responsabilidade Fiscal; Português com Ênfase no Acordo Ortográfico; Qualidade no Atendimento ao Público e Redação Oficial.

As inscrições podem ser feitas até 13 de abril, por meio do site prefeituras.tecpareducacao.com.br, na aba “Cursos”, ou por meio dos telefones (41) 3576-1923 e (41) 2104-3356.

O custo unitário dos cursos, por inscrição, é de R$ 159, porém os valores podem baixar de acordo com a quantidade de interessados por município. De uma a 50 inscrições, o valor é de R$ 159; de 51 a até 150 inscrições, R$ 149; de 151 a até 250, R$ 139; de 251 a até 500, R$ 129; e acima de 501 inscrições, o valor é sob consulta.

Serviço
Inscrições para os cursos do Capacita Paraná EaD
Data: Até 13 de abril
Investimento: O custo unitário por inscrição é de R$ 159, mas diminui conforme aumenta o número de participantes

Inscrições: Pelo site prefeituras.tecpareducacao.com.br ou por meio dos telefones (41) 3576-1923 e (41) 2104-3356

Flávio Gouveia assume presidência do Lafepe



O advogado Flávio Gouveia é o novo diretor-presidente do Lafepe. Ex-presidente do Porto do Recife, ele assume o cargo em substituição ao administrador de empresas Roberto Fontelles. Gouveia também foi assessor do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), diretor financeiro, de orçamento e de logística do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e consultor do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD/ONU).

Flávio Gouveia chega ao Lafepe no início da internalização da produção do antipsicótico Clozapina – comprimidos de 25mg e 100mg –, o que marca o pioneirismo da instituição. O Lafepe passa a ser o primeiro laboratório público do país a concluir todas as etapas de uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP).

À frente do laboratório pernambucano, o novo diretor-presidente dará continuidade aos projetos de expansão estrutural da fábrica, bem como deve ampliar o número de parceiros privados para o desenvolvimento de produtos. Negociações neste sentido estão em curso.


Diretor do Lafergs é homenageado com "Láurea João Florentino Meira de Vasconcellos de Inovação Farmacêutica”


O diretor do laboratório Farmacêutico do Estado do Rio Grande do Sul (Lafergs) e presidente da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil (Alfob), Paulo Mayorga, foi homenageado com a láurea “João Florentina Meira de Vasconcellos de Inovação Farmacêutica”. A distinção foi entregue nesta terça-feira, durante a Oficina Inovação Farmacêutica & Propriedade Intelectual, realizada no Auditório Global Tecnopuc, na PUCRS. A honraria é concedida pela Academia Nacional de Farmácia a profissionais que reconhecidamente tenham se destacado em atividades de prestação de serviços, produção científica, disseminação do conhecimento e empreendedorismo em ciências farmacêuticas.
 
 Graduado em Farmácia Industrial pela Universidade Federal de Minas Gerais, Mestre em Ciências Farmacêuticas e Especialista em Gestão Empresarial pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Doutor em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Paris XI. É Professor Associado da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde foi diretor no período de 2005 a 2011. Suas principais áreas de atuação são tecnologia farmacêutica e gestão da assistência farmacêutica. Durante a trajetória acadêmica participou ativamente de ambientes de inovação, na organização incubadoras e parques tecnológicos. Possui experiência sólida na interação universidade empresa, através da realização de projetos de cunho tecnológico, especialmente durante os dez anos de coordenação do Centro de Desenvolvimento Tecnológico Farmacêutico (CDTF/UFRGS). Atualmente coordena o Laboratório Farmacêutico do RS, sendo eleito Presidente da Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil para o biênio 2016-2017. Mayorga recebeu a láurea das mãos de Lauro Moretto, presidente da Academia Nacional de Farmácia.

 O prêmio leva o nome de João Florentino Meira de Vasconcellos, um dos farmacêuticos pioneiros do Brasil. Nascido em 1865, diplomou-se em Farmácia em 1886 pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Fundou a “Farmácia Meira”. Em 1896 fundou a “Sociedade Farmacêutica”, a qual presidiu com brilhantismo. Essa Sociedade foi a semente da “Escola Livre de Farmácia”, fundada em 12 de outubro de 1898, que deu origem à Faculdade de Farmácia e Odontologia da Universidade de São Paulo, embrião da atual Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP. Foi Professor Catedrático de “Farmácia: Teoria e Prática”. Foi pesquisador e publicou o livro “Elementos de Farmácia”. Participou da organização e promoção da “Farmacopéia Paulista”.

Assessoria de Comunicação
Associação dos Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil (Alfob)


Workshop vai discutir atuação de institutos tecnológicos

Um workshop que acontece no Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) em 5 de abril, em Curitiba, terá como objetivos fazer uma avaliação crítica e apontar caminhos para a atuação dos institutos tecnológicos, sobretudo os públicos, em um cenário caracterizado pela escassez de recursos e de novas formas da Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I), parcerias estratégicas, startups, indústria 4.0 e inovação aberta, entre outros.

O evento intitulado “A atuação sustentável dos institutos de pesquisa face aos novos modelos de desenvolvimento tecnológico e inovação” - promovido pelo Tecpar e a Associação Brasileira das Instituições de Pesquisa Tecnológica e Inovação (Abipti) - contará com a presença de representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e do governo paranaense, além da comunidade científica e tecnológica nacional.

No workshop haverá uma palestra magna sobre as novas formas de organização da PD&I. A programação conta ainda com três mesas de debates que abordarão os recentes modelos de atuação dos institutos tecnológicos, face aos desafios; o modelo de financiamento à PD&I; e os avanços e retrocessos do Marco Legal da Inovação. O diretor-presidente do Tecpar e presidente da Abipti, Julio Félix, fará a palestra de encerramento.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site abipti.org.br/workshop. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones da Abipti, (61) 3348-3109 e (61) 3348-3127, e do Tecpar, (41) 3316-3142.

Serviço
Workshop A atuação sustentável dos institutos de pesquisa face aos novos modelos de desenvolvimento tecnológico e inovação
Data: 05/04
Horário: das 8h às 17h


Investimento: gratuito
Local: Câmpus CIC do Tecpar (Rua Algacyr Munhoz Mader, 3775 – Cidade Industrial de Curitiba)
Inscrições: Pelo site abipti.org.br/workshop

Informações: Abipti (61) 3348-3109 e (61) 3348-3127; Tecpar (41) 3316-3142





Lafepe sai na frente com autorização para internalizar Clozapina


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deferiu na sexta-feira, dia 24, em favor do Lafepe, a internalização da produção do antipsicótico Clozapina, em comprimidos de 25mg e 100mg. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, dia 27.

“Isso significa que o Lafepe se efetiva como o primeiro laboratório público a concluir todas as etapas de uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP)”, comemora o presidente do Lafepe, Roberto Fontelles.

Ainda em meados deste ano, serão internalizadas outras duas PDPs referentes à Quetiapina (comprimido revestido de 25mg, 100mg e 200mg) e à Olanzapina (comprimido revestido de 5mg e 10mg). Com a internalização das PDP´s, a produção de medicamentos do Lafepe passará dos atuais 100 milhões de comprimidos, por ano, para 270 milhões.

PDP -  Trata-se de parceria que envolve a cooperação entre instituições públicas e privadas para o desenvolvimento, transferência e absorção de tecnologia e capacitação produtiva em medicamentos estratégicos para atendimento às demandas do Sistema Único de Saúde (SUS). No Lafepe, o procedimento reconhecido pelo Ministério da Saúde (MS) é realizado em parceria com o laboratório Cristália.

'Olhar Paulista' beneficia novos alunos com óculos Lafepe

            Na manhã desta sexta-feira (24-03), o Programa Olhar Paulista retomou o atendimento a alunos da rede pública municipal. No primeiro dia da programação de 2017, foram atendidos 30 estudantes. Até o próximo mês de junho, a expectativa é de atender 300 alunos.

O Olhar Paulista visa potencializar o rendimento dos estudantes em sala de aula, auxiliando na correção de problemas na visão. Desta forma, os alunos atendidos por especialistas do Centro de Visão de Pernambuco (CEVIPE) são encaminhados para escolher a armação e fazer a medição dos óculos de grau da marca Lafepe.



Como forma de agilizar o atendimento das demandas, o laboratório pernambucano disponibilizou um técnico para acompanhar a programação no CEVIPE, que fica no 1º andar do prédio da Faculdade Joaquim Nabuco, no centro do Paulista.

Parque Tecnológico Virtual do Paraná já está presente em 15% das cidades paranaenses

Quinze por centro das cidades paranaenses já contam com pelo menos um ativo tecnológico registrado na plataforma do Parque Tecnológico Virtual do Paraná (PTV Paraná), que pretende atrair e fixar empresas de base tecnológica em todo território paranaense.

Os 56 municípios com pelo menos um ativo tecnológico registrado estão espalhadas por todas as regiões do Paraná e variam desde as grandes cidades do estado, como Curitiba, Londrina e Maringá, às pequenas, como Santa Mariana, Peabiru e São Carlos do Ivaí.
O PTV Paraná centraliza os ativos tecnológicos e processos de negócios em uma plataforma única, reunindo institutos de ciência e tecnologia (ICTs), núcleos de inovação tecnológica (NITs), empresas de base tecnológica, incubadoras e parques tecnológicos, centros de promoção de empreendedorismo, entidades prestadoras de serviços tecnológicos e instituições de ensino e pesquisa.

A maioria dos quase 400 cadastros refere-se a “pessoas”, “organizações e empresas” e “projetos e iniciativas” – dentre os quais, projetos, propostas, realizações, empreendimentos e ações de inovação.

De acordo com o Júlio C. Felix, diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), ao chegar a municípios de todos os portes pesquisadores e empresários de todas as regiões se encontram para gerar inovação. “A plataforma do PTV Paraná aproxima o empreendedor tecnológico aos ativos científicos e tecnológicos e de inovação do estado. Além de cumprir esse papel, a plataforma tem se mostrado uma grande ferramenta de informação de Ciência, Tecnologia e Inovação no Paraná”, pontua.

Catálodo de inovação
Com a ferramenta, a sociedade paranaense pode conhecer os ativos tecnológicos do Estado, catalogados em sete categorias: Pessoas, Organizações, Programas e Incentivos, Projetos e Iniciativas, Produtos, Propriedade Intelectual e Serviços. A ferramenta também abre espaço para fóruns e para atualização de calendário de eventos.

Os empresários paranaenses podem, com a nova plataforma, informar suas demandas por soluções tecnológicas e conhecer as instituições mais adequadas para provê-las.
Mais que um catálogo de organizações e de iniciativas inovadoras, porém, a plataforma do PTV Paraná é uma ferramenta de gestão, reunindo uma lista de cadastro e um mapa de calor, que apresenta a distribuição dos ativos no Estado, orientando o acesso pelas empresas aos produtos e serviços tecnológicos e na tomada de decisão.

Plataforma
Cada instituição pode se cadastrar e catalogar seus programas de financiamento à inovação e seus projetos de pesquisa, por exemplo. A plataforma será a ferramenta de gestão dos ativos tecnológicos paranaenses da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), que é a instituição responsável pelo projeto.
A plataforma ainda funciona como uma rede social, na qual os seus integrantes podem criar fóruns e troca de informações sobre projetos inovadores no estado.

Para catalogar sua organização ou iniciativa, é preciso acessar o site ptvparana.com e fazer o cadastro.





Fundação Itaú Social vai garantir doação de óculos Lafepe


          
            A boa notícia é fruto da aprovação de um projeto formatado por equipe do laboratório pernambucano, tendo como objetivo oferecer consultas oftalmológicas e óculos a estudantes de sete escolas públicas localizadas no entorno do Compaz Governador Eduardo Campos, do Alto Santa Terezinha, no Recife. Cerca de 3.500 alunos compõem o universo a ser avaliado.

            Das escolas contempladas, cinco integram a rede municipal e duas são estaduais. Além de servidores do Lafepe, a execução do projeto conta com o trabalho de oftalmologistas e técnicos da Fundação Altino Ventura, equipe da Secretaria de Segurança Urbana do Recife e servidores das secretarias de Saúde e Educação vinculados às redes estadual e municipal.


            O cronograma de execução começou a ser cumprido, hoje, no auditório do Compaz, com a capacitação de servidores selecionados para fazer a triagem de estudantes com dificuldade visual. Está previsto para maio, também no Compaz, o atendimento dos alunos triados e que será  feito pelos profissionais da Fundação Altino Ventura. Os que necessitarem usar óculos vão contar com estrutura da ótica do Lafepe, a ser montada no mesmo local das consultas. Os técnicos do laboratório pernambucano farão a medição para produção das lentes e os estudantes poderão escolher as armações. A entrega dos óculos está prevista para junho.

              

Tecpar integra comitiva do Ministério da Saúde em viagem ao Oriente Médio

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) integra a comitiva do Ministério da Saúde que está em missão ao Oriente Médio para visita oficial a Israel e à Palestina. A missão busca estreitar as relações na área de saúde, bem como fomentar a troca de experiências para intensificar a cooperação na atenção à saúde e no desenvolvimento de tecnologias e produtos de saúde.

O diretor-presidente do Tecpar, Júlio C. Felix, e o ministro da Saúde, Ricardo Barros, visitaram instituições de excelência na área da saúde, incluindo o Hospital Universitário Rambam Health Care Campus, o maior centro médico no norte de Israel e responsável pelo atendimento de mais dois milhões de habitantes, e o Sheba Medical Center, que foi criado em 1948 para tratar vítimas de conflitos e é, atualmente, o maior hospital do país, prestando serviços a pacientes de todo o Oriente Médio.

A comitiva também visita o Hadassah Medical Center, reconhecido pela especialidade em tratamento neurológico adulto e infantil, e o Wolfson Medical Center, instituição que abriga 70 profissionais voluntários que realizam cirurgias cardíacas em crianças da África, da Ásia e da Palestina.

A visita inclui ainda reuniões com empresas e startups da área de tecnologia, que apresentam inovações desenvolvidas no campo da saúde que podem vir a ser utilizadas no Brasil como plataformas tecnológicas na produção de medicamentos e equipamentos.



Parque de Exposições da Gameleira recebe o caminhão da ciência

O Parque de Exposições da Gameleira, localizado na região oeste de Belo Horizonte, recebe o Programa Ciência em Movimento (PCM), da Fundação Ezequiel Dias (Funed). A equipe do Programa, que acompanha o caminhão e leva conhecimento científico e tecnológico para as comunidades, ficará no local nos dias 22 a 25 de março.

O Programa Ciência em Movimento foi criado em 2012 pela Funed, com o objetivo de difundir e popularizar a ciência por todo o estado. O caminhão leva conhecimento científico e tecnológico, através de linguagem lúdica e popular, estabelecendo uma relação de diálogo entre os pesquisadores e a sociedade e entre ciência, saúde e cultura.

Durante a visita ao parque, o PCM promoverá oficinas abordando a temática “Ciência Alimentando o Brasil”, pauta da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) do ano passado e animais peçonhentos.

Serviço:

Exposição Programa Ciência em Movimento
Datas e horários:
22 a 25/3 – de 9h as 17h.
Local: Avenida Amazonas, 6020 – Gameleira.

Assessoria de Comunicação Social
(31) 3314-4577

Estudantes da Faculdade Pernambucana de Saúde em visita ao Lafepe


Alunos do 6º período do curso de Farmácia da Faculdade Pernambucana de Saúde (FPS) visitaram a sede do Lafepe, em Dois Irmãos, na manhã desta quarta-feira, dia 15. O meio acadêmico tem no laboratório pernambucano a referência para complementar suas atividades.



        Acompanhado pela coordenadora de pesquisa e desenvolvimento do Lafepe e professora da FPS, Aíla Santana, o grupo conheceu a estrutura dos almoxarifados, das fábricas de líquidos e sólidos, da central de tratamento de água e de logística.






As informações geradas durante a visita irão subsidiar a elaboração de projeto industrial farmacêutico, como atividade do Laboratório de Tecnologia dos Medicamentos.


Técnicos da Bahiafarma visitam o Lafepe


               A expertise do Lafepe em planta fabril certificada motivou, nesta terça-feira (14.03), a visita de técnicos das áreas de engenharia e de produção da Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma).

               Na sede do laboratório pernambucano, eles tiraram dúvidas referentes à planta de sólidos da fábrica a ser construída na Bahiafarma e que irá permitir a internalização de medicamentos produzidos dentro de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP's) que mantém com o laboratório Cristália – também parceiro do Lafepe.


              O grupo baiano conheceu a estrutura da divisão de sólidos da unidade pernambucana, além do sistema de tratamento de água e da central de pesagem. Na ocasião, obteve informações sobre central de climatização e estrutura necessária para eficiência dos equipamentos.

Bahiafarma lança vídeo mostrando o passo-a-passo da realização do teste rápido de Zika vírus

Material tem como objetivo auxiliar profissionais de saúde e dirimir dúvidas sobre o uso correto do dispositivo, chamado Zika IgG / IgM Combo
 
Com o intuito de prevenir o uso incorreto dos testes rápidos para diagnóstico de infecção por Zika vírus que estão sendo distribuídos por todo o País pelo Ministério da Saúde, a Bahiafarma, laboratório público do Estado da Bahia, elaborou um vídeo mostrando o passo-a-passo da realização do exame. O material, disponível no site da Bahiafarma (www.bahiafarma.ba.gov.br), tem 3 minutos de duração e explica em detalhes todo o procedimento para a utilização do dispositivo, chamado Zika IgG / IgM Combo, da coleta da amostra ao resultado final do exame.

“Apesar de o uso de testes rápidos para diagnóstico de diversas doenças ser bastante conhecido pelos profissionais da área, entendemos que seria útil termos um vídeo explicativo sobre a aplicação do teste de Zika, já que é um produto novo para a saúde pública do País”, diz o diretor-presidente da Bahiafarma, Ronaldo Dias. “O material soma-se ao manual de instrução, que acompanha os testes e também está disponível no site da Bahiafarma, para evitar que haja dúvidas sobre a correta aplicação e leitura de resultados dos dispositivos.”

O teste
Prático, seguro e com alto índice de confiabilidade, o Zika IgG / IgM Combo é composto por dois cassetes portáteis (7×2 cm cada), que utilizam uma pequena amostra de soro sanguíneo do paciente e fornecem o resultado em até 20 minutos. O primeiro cassete reage ao anticorpo IgM e identifica infecções recentes (de cinco dias a duas semanas), enquanto o segundo reage ao anticorpo IgG, identificando se o paciente foi infectado há mais tempo, mesmo que não tenha manifestado sintomas da doença.

O Ministério da Saúde adquiriu 3,5 milhões de unidades do teste, que estão sendo distribuídas para a rede pública de todo o País, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

A Bahiafarma
A Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico, Fornecimento e Distribuição de Medicamentos (Bahiafarma) é um laboratório farmacêutico público que tem como objetivo desenvolver e fornecer produtos, serviços e inovação tecnológica para a saúde pública do País.


Integra a administração pública indireta do Poder Executivo do Estado da Bahia, vinculada à Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Tem como metas minimizar a dependência de importação de produtos e tecnologia, atuando de forma competitiva e econômica para o Sistema Único de Saúde (SUS), e contribuir para a descentralização da indústria farmacêutica, farmoquímica e biotecnológica no País, hoje concentrada no eixo Rio/São Paulo.

EMPRESA ENTRA NA INCUBADORA DO TECPAR PARA DESENVOLVER MEMBRANA DE BIOCELULOSE


A Neurocel, empresa que acaba de ingressar na Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec), vai desenvolver pesquisa na área da neurocirurgia para produzir membrana biológica com a finalidade de substituir a dura-máter - também chamada de meninge - em caso de lesões por tumores ou por traumatismos. O novo produto é fruto de uma pesquisa de 25 anos. O contrato para ingresso da empresa na Intec foi assinado nesta sexta-feira (10). 


De acordo com o médico neurocirurgião Luis Renato Mello, titular da patente e da empresa, a meninge envolve o sistema nervoso no interior do crânio e da medula. A sua experiência como médico no Hospital Santa Isabel, em Blumenau (SC), onde trabalha, mostrou que essa meninge pode ser substituída em caso de lesões. "Estou desenvolvendo a pesquisa nesta área há 25 anos, já realizamos testes pré-clínicos com animais e teste clínico em pessoas, com bons resultados", destaca. 
Mello explica que essa nova membrana é produzida a partir de biocelulose, proveniente de síntese bacteriana e submetida a preparo especial, objeto de patente registrada. Quando produzida em grande escala tem baixo custo. "As membranas que existem no mercado são de alto custo e, na maior parte, de origem estrangeira", salienta. 

A expectativa do médico com a incubação é conseguir desenvolver um protótipo, testá-lo e submeter o material à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), obtendo, dessa forma, autorização para uso do produto pela população. "A ideia de fazer a incubação na Intec liga-se ao fato de termos acesso mais fácil a testes biológicos avançados de biocompatibilidade, resistência e toxicidade", ressalta. 

O gerente dos Parques e Incubadoras Tecnológicas do Tecpar, Gilberto Passos Lima, explica que os especialistas da Intec irão acompanhar o desenvolvimento final do produto até que a empresa alcance a autorização da Anvisa para comercialização. “Depois disso, o negócio entrará em outra fase, na qual estará focado na comercialização do produto no mercado privado para, em seguida, tentarmos introduzi-lo no mercado público”, avalia. 

A companhia se instala no campus CIC do Tecpar, onde está o Parque Tecnológico da Saúde. O diretor de Desenvolvimento Tecnológico, Reginaldo Joaquim de Souza, afirma que estar dentro de um parque tecnológico ajuda a empresa a acelerar o desenvolvimento de novos produtos e serviços. “A companhia pode entrar no parque tecnológico e firmar parcerias com o Tecpar para ingressar no mercado público da saúde”, pontua. 

INTEC - Empreendedores que queiram participar do programa de incubação do Tecpar podem ser inscrever ao longo do ano para concorrer a uma vaga em uma das duas unidades da Intec, em Curitiba e em Jacarezinho. 

São ofertadas vagas para a modalidade residente - quando a empresa fica nas dependências da Intec - e para a incubação não residente, quando o empresário não se instala na incubadora, mas conta com o apoio dos especialistas do instituto. 

Podem participar do processo de incubação pessoas físicas, como universitários, pesquisadores e empreendedores que tenham um negócio inovador, ou pessoas jurídicas. Ao longo de 27 anos, a Intec já deu suporte tecnológico a mais de 100 negócios. 

No momento, 11 empresas passam pelo programa de incubação: Beetech/Beenoculus, Werker, i9algo, Invento Engenharia, Vuk Personal Parts, Compracam, Provena, RR Import, Forrest Brasil Tecnologia, OrangeLife e Neurocel.






Muito além de indústria farmacêutica, a Fundação também é responsável por pesquisas científicas e pela vigilância em saúde dos mineiros

A Fundação Ezequiel Dias (Funed), que completa 110 anos em agosto, tem um papel fundamental na promoção e proteção da saúde pública e integra o Sistema Estadual de Saúde. É vinculada à Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) e possui um quadro de, aproximadamente, 1.200 colaboradores, de nível técnico a pós-doutorados.
Com três diretorias técnicas, sua atuação é protagonista na vigilância em saúde, pesquisa e desenvolvimento e enquanto Laboratório Oficial do Estado, que integra a Associação de Laboratórios Farmacêuticos Oficiais do Brasil (Alfob).

Instituto Octávio Magalhães
Diretoria da Funed em que funciona o Laboratório Central de Minas Gerais (Lacen/MG). Dividido em três áreas (Epidemiologia e Controle de Doenças, Vigilância Sanitária e Higienização e Produção de Meios de Cultura), é o Laboratório responsável pela vigilância epidemiológica, ambiental e de saúde do trabalhador, realizando análises em alimentos, medicamentos, saneantes e cosméticos. Atua também no monitoramento da qualidade da água utilizada nos hemocentros do Estado e dos níveis de agrotóxico a que estão submetidos os trabalhadores rurais.

A Divisão de Epidemiologia e Controle de Doenças é responsável pelo controle e diagnóstico de várias doenças e atua como referência nacional para sorologia de Doença de Chagas e Leishmaniose e referência para os agravos de meningites, doenças enterais, difteria e coqueluche para os estados de Minas Gerais, Bahia, Espírito Santo e Rio de Janeiro. É referência regional para o diagnóstico de tuberculose, IST/AIDS, dengue, febre amarela, hepatite, sarampo, febre maculosa, dentre outras.

A Divisão de Vigilância Sanitária tem como finalidade realizar testes e exames complementares as ações de vigilância sanitária, ambiental e ocupacional, desenvolvidas pelos órgãos públicos de saúde, participando dessas ações e elaborando programas conjuntos com a Superintendência de Vigilância Sanitária da SES-MG para fiscalização de alimentos, medicamentos, cosméticos, sanitizantes entre outros.

Suas atividades são voltadas para análises microbiológicas, microscópicas, químicas e físicas de alimentos, elucidação de surtos de toxinfecções alimentares, monitoramento da qualidade da água de consumo humano e em serviços de hemodiálises e ambiental, análises toxicológicas e análise fiscal de medicamentos e outros produtos de interesse da saúde.

O Lacen/MG coordena a Rede Estadual de Laboratórios de Saúde Pública (RELSP), composta por nove laboratórios de gestão estadual, localizados nas macrorregiões assistenciais de Minas Gerais.

Pesquisa e Desenvolvimento
A pesquisa científica reforça as prioridades estratégicas institucionais voltadas às demandas de desenvolvimento biotecnológico e proporciona a obtenção de novos métodos, processos e produtos de aplicação na saúde humana e animal. A Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento planeja, coordena, supervisiona, dirige, executa e avalia o desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas institucionais. Desenvolve conhecimento científico em assuntos de retorno social, com foco na transformação do conhecimento em novos produtos. Desde a sua criação, tem a finalidade de prospectar toxinas animais: peçonhas de serpentes, aranhas, plantas nativas, microrganismos e produtos de abelhas Apis melífera, na busca de princípios ativos importantes para o desenvolvimento de bioprodutos para a saúde. Mantém, atualmente, 38 projetos de pesquisa em execução. Possui 30 patentes, sendo duas internacionais e um certificado de adição.

Com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), coordena os programas BIC e BIC Jr, de bolsa de iniciação científica para estudantes de níveis superior e médio. Os programas atendem, em média, a 30 bolsistas por ano, que atuam em diversas áreas da Fundação, desenvolvendo projetos que contribuem em sua formação profissional e acadêmica.

A Diretoria de Pesquisa também coordena o Programa Ciência em Movimento, criado em 2012, com o objetivo de difundir e popularizar a ciência por todo o estado. O Programa viaja pelas cidades mineiras, em um caminhão que leva conhecimento científico e tecnológico, através de linguagem lúdica e popular, estabelecendo uma relação de diálogo entre os pesquisadores e a sociedade e entre ciência, saúde e cultura.

Diretoria Industrial
Somos os produtores exclusivos da Talidomida – medicamento usado no tratamento da hanseníase e com alto potencial para tratamento de outras doenças, como o câncer. Também somos o único laboratório público fornecedor da vacina contra meningite C para o Ministério da Saúde. Por ano, são cerca de 15 milhões de doses de vacina distribuídas.
Na área de produção animal, possui um Biotério, credenciado junto ao Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal, com produção anual de 60 mil camundongos. Os animais são utilizados, principalmente, em fase de testes de qualidade dos soros antitóxicos produzidos pela Fundação.

Em Minas Gerais, mantemos a exclusividade na produção de soros antipeçonhentos, antitóxicos e antivirais, que são disponibilizados nos hospitais públicos de todo o país para tratamento de picada de animais peçonhentos pelo Ministério da Saúde. Para a produção dos soros, a Funed mantém um criadouro de mais de 200 serpentes, quatro mil escorpiões e uma Fazenda Experimental, localizada em Betim, com criação de animais produtores de plasma. Atualmente, a fábrica de soros da Funed está paralisada para reforma, mas retomará sua produção ainda este ano.

Ainda na Produção Animal, a Funed possui uma coleção científica de serpentes, iniciada em 1987 e que conta, atualmente, com um acervo de 2.809 exemplares, sendo provavelmente a maior coleção de serpentes do estado. É visitada com frequência e contribui para estudos taxonômicos, biogeográficos, ecológicos e de história natural. Além das serpentes, a coleção também conta com 52 espécimes de escorpiões e 868 de aranhas.

As coleções científicas são importantes para o conhecimento da biodiversidade. Muitos estudos taxonômicos, ecológicos e biogeográficos apenas são possíveis devido à existência de coleções científicas. Assim, obtêm-se registros adequados e permanentes que se fazem com a conservação de espécimes-testemunho. Coleções biológicas constituem um local adequado para o depósito de animais, plantas e microrganismos coletados por pesquisadores das mais diversas áreas e pela população.

Compromisso com a Qualidade
A Funed é certificada pela ISO 9001:2008 e o escopo da certificação envolve pesquisa, desenvolvimento, produção de medicamentos e análises laboratoriais.
Além da ISO 9001, a Funed possui outras certificações, como a Resolução da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (RDC 17), conferida à Diretoria Industrial, que dispõe sobre as Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos. A Diretoria do Instituto Octávio Magalhães (DIOM) possui certificação da Organização Nacional de
Acreditação (ONA), para a Divisão de Epidemiologia e Controle e Doenças (DECD) e certificação da Organização Mundial de Saúde (OMS), para o Serviço de Medicamentos Saneantes e Cosméticos (SMSC). No Controle de Qualidade em Medicamentos, foi o primeiro laboratório do Brasil a ser pré-qualificado pela OMS, sendo um dos seis do país.

A DIOM possui, ainda, 36 ensaios acreditados pela ISO 17025 e pela Rede Brasileira de Laboratórios Analíticos em Saúde (Reblas) e Ensaio de Proficiência em HIV, certificado pela ISO 17043.

Patrimônio da Saúde Pública
A Fundação Ezequiel Dias é uma instituição fundamental para a manutenção das ações do SUS e suas portas estão abertas à população. Quem desejar conhecer um pouco mais sobre a Funed pode agendar uma visita guiada, através do e-mail comunicacao@funed.mg.gov.br.

Visite também o nosso site e nossas redes sociais:

Alfob participa de ato que oficializa Tecpar para produção de insumos estratégicos para o SUS

O presidente da Associação dos laboratórios farmacêuticos do Rio Grande do Sul (Alfob), Paulo Mayorga, participou nesta segunda-feira, dia 6, da solenidade que habilitou o Instituto Tecnológico do Paraná (Tecpar) como uma das três instituições brasileiras que irão desenvolver medicamentos monoclonais e insumos biológicos para o Sistema Único de Saúde (SUS). No ato, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, oficializou a lista dos insumos que serão produzidos, relacionando quatro medicamentos utilizados no tratamento de artrite, câncer e doenças autoimunes e assinou o contrato de aquisição de 30 milhões de doses da vacina antirrábica produzida pelo instituto.

A produção dos insumos será concentrada no Parque Biotecnológico do Tecpar em Maringá.A lista de medicamentos foi distribuída ainda para a Fiocruz/Biomanguinhos (RJ) e o Instituto Butantan (SP). Trata-se da elaboração de produtos biológicos estratégicos para o SUS, que até então eram importados. As três instituições farão a produção de 26 biofármacos, por meio de Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP). A nova distribuição das PDPs, que prevê transferência de tecnologia entre laboratórios públicos e privados, foi lançada no ano passado pelo Ministério da Saúde.

INVESTIMENTOS – A expectativa do Ministério da Saúde é que, com os projetos, haja um investimento privado de R$ 6,4 bilhões, a construção de pelo menos três novas fábricas, geração de mais de 7,4 mil vagas de empregos qualificados, além do envolvimento de cerca de 450 doutores especializados em pesquisas para auxiliar o desenvolvimento de medicamentos e produtos para a saúde. Além disso, está prevista com a nacionalização da produção dos medicamentos fornecidos pelo SUS economia de até 30% ao ano. Atualmente, o Ministério da Saúde importa em torno de R$ 8 bilhões em medicamentos de alto custo.

MEDICAMENTOS – O Tecpar será responsável pelo desenvolvimento de quatro produtos: Bevacizumabe, Etanercepte, Infliximabe e Trastuzumabe. A previsão é que o instituto arrecade até R$ 500 milhões por ano, a partir de 2018, com o fornecimento dos insumos. Segundo o diretor-presidente do Tecpar, Júlio Felix, explicou que o instituto fornece medicamentos ao Ministério da Saúde desde 1944 e tem ampliado o seu escopo de produtos. “A partir deste projeto do governo federal de criar um complexo econômico e industrial da saúde, fomos convidados a desenvolver tecnologias para o fornecimento de novos medicamentos, em parceria com empresas brasileiras e multinacionais detentoras das patentes”, disse.

“Este é apenas o início do processo, porque a política do governo federal é de continuar incentivando que os laboratórios públicos ampliem sua participação na produção de medicamentos”, completou.

VACINA ANTIRRÁBICA – O ministro da Saúde assinou ainda o contrato que prevê o fornecimento pelo Tecpar de 30 milhões de doses da vacina antirrábica para serem utilizadas nas campanhas de vacinação de cães e gatos deste ano. O Tecpar é fornecedor da vacina antirrábica ao Ministério há mais de 40 anos e atualiza frequentemente o seu processo produtivo, alcançando novos patamares de qualidade, nivelando-se aos produtores mundiais.

Atualmente, o Tecpar utiliza o método de perfusão, que amplia a capacidade de produção da vacina. A combinação desse método com outras tecnologias deu origem ao processo cujo pedido de patente foi depositado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) – Processo compacto de produção de vacina antirrábica veterinária utilizando células BHK-21, vírus PV e método de perfusão.

MARINGÁ – A princípio, o Tecpar vai realizar em Maringá a obra para a construção da fábrica de finalização e envase de medicamentos e vacinas, que vai dar suporte à produção da vacina antirrábica, já produzida pelo instituto, e aos demais medicamentos biológicos que serão ali produzidos.

A unidade de fill and finish tem como objetivo fazer a formulação, envase, embalagem e armazenamento de medicamentos injetáveis produzidos pelo instituto. Nos próximos anos, novas plantas biológicas serão instaladas no local. A produção desses medicamentos biológicos pelo Tecpar deve gerar pelo menos 250 empregos diretos e qualificados, além de envolver mestres e doutores para auxiliar no desenvolvimento dos novos produtos.

ESPAÇO FUTURO – A governadora em exercício e o ministro da Saúde também inauguraram oficialmente o Espaço Futuro, uma área no campus CIC do Tecpar que foi revitalizada para se tornar um espaço de convivência dos colaboradores do instituto.

O antigo lago localizado na sede do Tecpar foi revitalizado para abrigar dois novos, que contribuem com o microclima da região e ajudam na contenção de enchentes do Rio Barigui, que passa próximo ao local. Como parte da cerimônia de inauguração, alunos da Escola Municipal Pró-Morar Barigui, vizinha do instituto, soltaram alevinos no lago, junto com seus monitores. Após o crescimento dos peixes, os animais serão levados ao Rio Barigui.

PRESENÇAS - Participaram da solenidade o vice-presidente de Produção de Inovação em Saúde da Fiocruz, Marco Aurelio Krieger; o secretário de Estado da Comunicação Social, Márcio Villela; o diretor geral da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Décio Sperandio; o secretário municipal de Saúde de Curitiba, João Carlos Baracho, além de diretores do Tecpar e representantes de laboratório.


texto: Victor Maciel da Agência Saúde
Edição: Janis Loureiro