Videos

Publicado em 28 de jan de 2016. O novo boletim divulgado nesta quarta-feira (27) aponta também que 270 casos já tiveram confirmação de microcefalia, sendo que 6 com relação ao vírus Zika. Outros 462 casos notificados já foram descartados. Ao todo, 4.180 casos suspeitos de microcefalia foram registrados até 23 de janeiro.

Programa Quarta às Onze apresenta pesquisas na área da saúde desenvolvidas na Funed


Com o objetivo de discutir e apresentar os estudos científicos desenvolvidos dentro da Fundação Ezequiel Dias (Funed), a Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD), criou o programa Quarta às Onze. Com vários pesquisadores e jovens bolsistas, a Funed, que é uma instituição pública voltada para a saúde, conta com uma vasta gama de pesquisas em várias áreas.

O programa passou a ser coordenado em 2016 por Lívia Gardoni, do Serviço de Recursos Vegetais e Opoterápicos e Carolina Moreira, do Serviço de Fitoquímica e Prospecção Farmacêutica. Gardoni informa que foram realizados 93 seminários, de agosto de 2013 até o mês de julho de 2016. “O programa é, também, um momento de integrar e agregar conhecimento, visando a divulgação de trabalhos dos colegas e, também, para dar abertura à sugestões e contribuições dos setores envolvidos”, esclarece.

Gardoni diz que o intuito dos encontros para este ano é, além de dar enfoque à inovação, buscar a integração de todas as áreas da Funed. “Convidamos para participar dos encontros, servidores que estão em fase de conclusão ou concluíram o mestrado ou doutorado. Pesquisadores da Fundação, também são convidados para palestrar, como foi o caso da servidora Luciana Silva, que desenvolveu uma startup, com projeto na área do câncer de ovário”, conta.

Inovação

O programa Quarta às Onze é realizado às quartas-feiras e o palestrante tem aproximadamente 20 minutos para apresentar sua pesquisa. Depois, é aberto um espaço para perguntas e os temas discutidos são variados, mas Gardoni fala que a prioridade são os assuntos na área de inovação e que tenham alguma ligação com o que é desenvolvido na Funed.

Lívia diz que apesar da maioria dos palestrantes serem servidores da Fundação, pesquisadores de outras instituições também são convidados, dependendo relevância de sua pesquisa para o seminário. “A importância de um profissional de fora para a nosso seminário é a possibilidade da troca de experiências e informações, complementa o trabalho e pode gerar parcerias”, destaca.



Tecpar e Butantan firmam acordo para atender o Sistema Único de Saúde

O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) e o Instituto Butantan firmaram um protocolo de intenções com o objetivo de realizar parcerias em projetos de interesse do Ministério da Saúde e do Complexo Industrial da Saúde. Com esse acordo, as duas instituições podem trabalhar em conjunto na produção de vacinas, anticorpos monoclonais, kits diagnósticos e hemoderivados.

Pelo acordo, as duas instituições buscam formar parcerias para transferir e absorver tecnologias para o desenvolvimento de projetos na área da saúde, salienta o diretor-presidente do Tecpar, Júlio C. Felix. “As duas instituições unem estruturas e competências para atender as demandas de saúde pública brasileira, em especial o Sistema Único de Saúde”, pontua.

A parceria entre os laboratórios oficiais do governo federal, inclusive, é um pedido feito recentemente pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, que busca, com essa aproximação das instituições, dar mais eficiência à produção de medicamentos no país.

Segundo Felix, acordos como o firmado com o Butantan podem dar celeridade aos processos de transferência de tecnologia por meio de projetos de Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), mecanismo utilizado pelo Ministério da Saúde para que laboratórios públicos produzam no país, em parceria com empresas privadas, medicamentos e produtos para a saúde, que hoje são importados. “É um avanço para produzir no Brasil produtos de alto valor agregado e ainda aqueles negligenciados pela indústria farmacêutica privada”, ressalta.
O protocolo de intenções entre as duas instituições tem validade de trinta meses.

Tecpar
O Tecpar tem 76 anos de atividade e atua em quatro pilares: Soluções Tecnológicas, oferecendo ao mercado ensaios laboratoriais e serviços tecnológicas em apoio às empresas que buscam inovar; Empreendedorismo Tecnológico Inovador, com a Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec), que já apoiou mais de 90 empresas; Educação, na área não-formal, com cursos de qualificação para o mercado privado e ainda com desenvolvimento de capacitações para servidores municipais de prefeituras paranaenses; e Indústria Farmacêutica e Biotecnológica, com desenvolvimento de kits diagnósticos veterinários, vacina antirrábica e produção de medicamentos de alto valor agregado para a saúde pública brasileira.
Saiba mais sobre o Tecpar pelo site portal.tecpar.br.

Instituto Butantan

O Instituto Butantan é o principal produtor de imunobiológicos do Brasil, responsável por grande porcentagem da produção nacional de soros hiperimunes e grande volume da produção nacional de antígenos vacinais, que compõem as vacinas utilizadas no Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde. As atividades de desenvolvimento tecnológico na produção de insumos para a saúde estão associadas basicamente à produção de vacinas, soros e biofármacos para uso humano.






Saúde cumpre meta de acesso aos novos medicamentos para hepatite C

No Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, o Ministério da Saúde lançou nova companha de prevenção contra a doença, com foco no diagnóstico

O Ministério da Saúde vai superar a meta de distribuir 30 mil tratamentos para hepatite C no último ano. Desde 2015, foram enviados para todo o país 23.599 tratamentos, sendo que outros 6.925 tratamentos já foram aprovados e serão encaminhados aos estados nas próximas semanas. Uma nova compra de 35 mil novos tratamentos já está em andamento para distribuição até final de 2016. Apenas no primeiro semestre deste ano, mais de 15 mil pessoas já foram beneficiadas. Além de apresentar este resultado, o Ministério da Saúde lançou nesta quinta-feira (28), durante Reunião Ordinária da Comissão IntergestoresTripartite, a nova a campanha de prevenção às hepatites virais de 2016, que terá foco no diagnóstico da doença.

O anúncio faz parte da comemoração do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, criado em 2010, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a partir de uma iniciativa e proposta brasileiras.

No total para, são 30.524 tratamentos, o que supera a meta estabelecida ano passado. Este montante teve um investimento de R$ 1,028 bilhões. A nova compra de medicamentos, que está em finalização no Ministério da Saúde, oferecerá 35 mil tratamentos.  “Vamos continuar essa política que o Brasil sempre foi protagonista, ampliando acesso. Evidentemente queremos disponibilizar a terapia a todos e continuaremos com um esforço muito grande de economia no Ministério para fazermos muito mais com o recurso disponível”, ressaltou o ministro da saúde, Ricardo Barros.

O novo tratamento para Hepatite C, com os medicamentos simeprevir, sofosbuvir e daclastavir foram incorporados no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2015, como a publicação do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Hepatite C e Confecções. Com essa estratégia, o Brasil assumiu a vanguarda da oferta no SUS desta terapia. “Agradecemos aos inúmeros movimentos de apoio que existem no Brasil, que, junto com as ações do Ministério, fazem com que essa política seja de inclusão e atenção importante para o país”, completou o ministro.

As medicações beneficiam pacientes que não podiam receber os tratamentos ofertados anteriormente, entre eles os portadores de coinfecção com o HIV, cirrose descompensada, pré e pós-transplante.

Campanha – Neste ano, o tema da campanha publicitária de prevenção às Hepatites é: “Hepatite C – O teste pode salvar a sua vida”. A campanha prioriza a importância do diagnóstico. Nos últimos dois anos, mais de 5,5 milhões de testes rápidos para hepatite C foram distribuídos. A campanha ainda ressalta que a hepatite C, tem tratamento e tem cura.
As mensagens serão dirigidas à população com mais de 40 anos de idade, faixa etária onde registra maior taxa de detecção. Essas pessoas, em geral, foram expostas a cirurgias de grande porte, transfusões de sangue, fizeram tatuagem ou uso de drogas injetáveis antes de 1993. A campanha contará com filme para televisão, spots de rádio, estratégia de internet, mobiliário urbano, assim como materiais gráficos (cartazes e folder) que serão disponibilizados on-line para reprodução.

“O diagnóstico precoce e o novo tratamento ofertado no SUS irão evitar consequências mais sérias às pessoas que vivem com a hepatite C no país, como cirrose, câncer e até mesmo a morte. Garantido pelo SUS e comprovadamente eficaz, o novo tratamento demonstra a prioridade que temos dados às hepatites no ministério”, enfatiza Ricardo Barros.

A campanha também tem como alvo, profissionais de saúde, profissionais de estética, manicures e tatuadores. As peças irão mobilizar a população a procurar os serviços de saúde para realizar a testagem. E, em caso positivo para a doença, iniciar e completar o tratamento.

HEPATITE C – Atualmente no Brasil, de 1,4 a 1,7 milhão de pessoas são portadores de Hepatite C. A doença pode ser transmitida pelo contato com sangue contaminado (transfusão de sangue e hemoderivados, sexo desprotegido e compartilhamento e objetos de uso pessoal como agulhas de tatuagem, alicates e tesouras). Não existe vacina contra a hepatite C, mas o tratamento é eficaz e disponível no SUS.

A diretora do Departamento de Vigilância, prevenção e controle das DST, AIDS e Hepatites Virais, Adele Benzaken alerta sobre a importância da notificação da doença para verificar precocemente a doença. “Estados e municípios precisam estar vigilantes e estimular sempre a notificação. O número de pessoas é uma estimativa, daí a importância da vigilância que subsidia o cálculo de quanto é preciso investir em medicação”, afirmou diretora.

PANORAMA – No Brasil, 514.678 mil pessoas convivem com o vírus das hepatites virais. Destes, 161.605 (31,4%) são referentes aos casos de hepatite A, 196.701 (38,2%) de hepatite B, 152.712 (29,7%) de hepatite C e 3.660 (0,7%) de hepatite D.
Com relação aos óbitos, de 2000 a 2014 foram identificados no país, 56.335 mortes associados às hepatites virais: 1,8% hepatite viral A; 21,9% à hepatite B; 75,2% à hepatite C e 1,1% à hepatite D.

Por Nivaldo Coelho, da Agência Saúde
(61) 3315.3580 / 3435


Ministro da Saúde visita o Tecpar para conhecer projetos na área da saúde

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, esteve em visita ao Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), na manhã desta terça-feira (26), e participou de uma reunião com um futuro parceiro do Tecpar para a produção de medicamentos.

O ministro foi recepcionado pelo diretor-presidente do Tecpar, Júlio C. Felix. Durante a reunião, um memorando de entendimentos foi assinado junto ao laboratório farmacêutico NTPharm, para estudar a possibilidade de parceria para a produção conjunta de medicamentos que atendam o interesse do ministério.

Na oportunidade, o ministro conheceu ainda a produção biotecnológica e farmacêutica do instituto. Na área da saúde, o Tecpar atua com o desenvolvimento de kits diagnósticos, a vacina antirrábica e com a produção de medicamentos para a saúde pública brasileira.

Além disso, no Campus Tecnoparque de Maringá está em construção a unidade de Produção de Medicamentos, cujas instalações vão abrigar a produção de medicamentos biológicos, utilizado no tratamento de diversos tipos de câncer e outras enfermidades. O funcionamento da unidade se dará por meio de uma Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), programa do Complexo Industrial da Saúde, também para fornecimento ao Ministério da Saúde.





Alfob avalia com otimismo novas diretrizes do MS para PDP’s Expectativa é fortalecer o Complexo Industrial de Saúde, garantir incorporação tecnológica e inserir como estratégia o conceito de Instituição Científica e Tecnológica e a Lei da Inovação

Em reunião realizada nesta quinta-feira, dia 21, em Brasília, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, apresentou aos representantes da Associação dos Laboratórios Oficiais do Brasil (Alfob) diretrizes técnicas para execução, monitoramento e avaliação das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP’s). As orientações contemplam ações coordenadas e focadas na viabilidade dos projetos de PDP’s, tais como observar as vocações dos Laboratórios Oficiais, garantir a segurança jurídica dos projetos para aspectos críticos como a organização de compras plurianuais e a incorporação tecnológica. O ministro anunciou ainda aos Laboratórios Oficiais sua nova equipe de trabalho formada por Marco Antônio de Araújo Fireman, secretário de Ciência Tecnologia e insumos estratégicos (SCTIE); Renato Alves Teixeira no Departamento de Assistência Farmacêutica (DAF) e Rodrigo Silvestre diretor do Departamento do Complexo Industrial e de Inovação em Saúde (DCIIC).

De acordo com o presidente da Alfob, Paulo Mayorga, construiu-se o consenso de que produtos estratégicos não estão restritos à ferramenta de PDP's, no âmbito do MS, havendo necessidade de incorporar a visão dos outros gestores na identificação de produtos estratégicos que poderiam ser trabalhados através de outros instrumentos que não as PDP's, incluindo a área de fitoterápicos, apontada como alternativa importante com desdobramentos possíveis em vários níveis da cadeia produtiva. “Houve a constatação da necessidade de discutir o modelo de gestão dos oficiais e as estratégias alinhadas com um novo conceito de Instituição Científica e tecnológica (ICT), sob a égide da Lei de Inovação”, relatou.

Segundo Mayorga, que é diretor do Laboratório Farmacêutico do Rio Grande do Sul (Lafergs), o encontro foi muito positivo, estabelecendo um novo marco na relação do MS com os Laboratórios Oficiais. “É um momento muito importante para os Laboratórios Oficiais, os quais sempre reivindicaram este espaço de debate. Considero uma visão racional e que pode orientar o complexo industrial da saúde de forma mais objetiva. Os laboratórios estão buscando aumentar sua competitividade e a consolidação de uma rede é extremamente salutar para o sistema de saúde”, avaliou. Nos próximos 30 dias, o ministro da Saúde propôs intensificar a agenda de debate com reuniões presenciais e por videoconferência para avançar na adoção das novas diretrizes.  “Como encaminhamento os Laboratórios Oficiais devem avaliar uma possível definição de vocações orientando sua estratégia para plataformas tecnológicas e linhas de cuidado, o que é uma evolução importante para a rede de produtores públicos.”, avaliou.

No encontro, a Alfob reiterou convite para a participação no 1º Encontro Nacional do Complexo Industrial e Inovação em Saúde, que vai debater temas estratégicos para o complexo industrial de saúde e ocorre no dia 8 de agosto, no Centro de Eventos e Convenções Brasil 21, em Brasília. “Em relação ao convite, o ministro sinalizou aprofundar o debate por ocasião do encontro, portanto, nossa expectativa é de que até lá haverá a formulação de propostas concretas para os próximos encaminhamentos com relação às PDP’s”, finalizou.

Texto: Janis Loureiro/Assessoria de Comunicação 
Foto: Thamyres Ferreira/MS

A Funed possui 29 patentes depositas. Dessas, duas são internacionais

Há pouco mais de uma década, a Fundação Ezequiel Dias (Funed) adotou a prática de garantir o registro de suas produções científicas, passando então, a depositar patentes. No primeiro semestre de 2016, a Fundação já depositou duas patentes, totalizando 29 invenções científicas, ao todo. Dentre essas, a Funed possui oito patentes com registro internacional, pelo Tratado de Cooperação em Matérias de Patentes (PCT).

A patente é uma concessão pública conferida pelo Estado que garante ao seu titular a exclusividade ao explorar comercialmente a sua criação. Ela garante que outras pessoas ou instituições não fabriquem, usem ou importem a invenção.

Muitas das invenções da Funed possuem parceria com empresas de pesquisa e universidades. A maioria das autorias das patentes são de pesquisadores da Fundação com cotitularidade da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG).

O Núcleo de Inovação e Proteção ao Conhecimento da Funed (NIPAC) é responsável por gerenciar o depósito e acompanhar todos os trâmites que envolve o processo. É necessário ter uma pesquisa científica, dados relevantes e inovadores e não existir outra pesquisa idêntica.

Terminadas essas etapas, a patente fica em sigilo no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), durante um ano e meio. Só depois que o INPI divulga e disponibiliza em seu sistema o cadastro a patente, impedindo que demais pesquisadores depositem patentes idênticas com o produto desenvolvido.

Mudança de visão
Por ser um Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT), a Fundação tem como principal atribuição executar atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico e tecnológico, criando inovações que, geralmente, acabam sendo revertidas em patentes.

A diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Funed, Esther Margarida Bastos, relata que mesmo com número expressivo de patentes depositadas, a instituição ainda não obtém transferência ou licenciamento das tecnologias ou protótipos e fala de uma nova visão para o destino das invenções produzidas pelos pesquisadores da Funed. “A ideia é fazer com que estas invenções não apenas virem patentes, mas sim, fazer com que elas cheguem ao mercado mais rápido, por meio de transferência de tecnologia e criação de startups, por exemplo”, salienta.

 A Funed possui a Oncotag (startup na área do câncer de ovário) e tem uma segunda em desenvolvimento. “Mais importante do que possuir patentes, é negociarmos para colocá-las no mercado, desenvolver métodos para transferência de tecnologia, analisar o que é preciso para incrementar as pesquisas e chegar ao produto final”, complementa.

A diretora informa que hoje existem duas patentes em fase de negociação pela Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica (CTIT), que junto com a UFMG têm know how em negociar patentes. Outra novidade são mais duas tecnologias produzidas nos laboratórios da Funed, uma para doença autoimune e a outra para Alzheimer, que serão apresentadas no Chile, para o Fraunhofer Institute. O Instituto tem uma plataforma de testes de produto, credenciada pela Food and Drugs Administration (FDA), dos Estados Unidos. “Quando as tecnologias são aprovadas pela Federação, é um passo a mais para o registro do produto na Anvisa”, comenta.







Tecpar apoia empresas para definir política de logística reversa

Empresas da área agrícola e agropecuária que buscam definir seu plano de logística reversa podem contar com o apoio do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) para estudar a melhor forma de cumprir a legislação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e as resoluções estaduais que fiscalizam o cumprimento da lei no Paraná.

A lei que institui a política de logística reserva define que a destinação final dos resíduos, como embalagens, por exemplo, é de responsabilidade do fabricante.

Empresas que comercializam produtos que têm componentes químicos em suas composição precisam, para poder definir ações de logística reversa, atestar que as embalagens, ao término do uso do produto, não contêm mais resíduos químicos. São em casos como esse que os laboratórios do Tecpar podem dar apoio às empresas, explica Daniele Adão, gerente do Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do instituto.

"Nossos laboratórios estão equipados para oferecer aos clientes do Tecpar maior agilidade e confiabilidade nas análises realizadas. Nossas soluções tecnológicas podem ajudar os empresários a definirem a melhor forma de cumprir a legislação de política reversa", ressalta Daniele.

O mestre em Química Analítica do Tecpar Lúcio Bolognesi explica que o plano de logística reversa de uma empresa pode ser aberta, quando a embalagem pode ser destinada à reciclagem comum, ou fechada, quando a própria empresa vai até o ponto de descarte para coletar o resíduo final. "Para definir se pode ser aberta ou fechada, entretanto, é preciso comprovar que a embalagem no fim do processo ainda contém resíduos químicos ou não", pontua.

Recentemente, o Tecpar foi contratado pela Associação Paranaense de Sementes e Mudas (Apasem) para realizar estudos de determinações qualitativas e quantitativas de resíduos de agrotóxicos em embalagens de sementes tratadas. O contrato prevê a coleta, a avaliação das embalagens, a classificação e a elaboração de relatórios, como subsídios para elaboração da proposta ao estabelecimento da logística reversa das embalagens de sementes tratadas.

Ao final do estudo, o grau de toxicidade das embalagens será conhecido, o que permitirá definir a forma da destinação final. O estudo inclui princípios ativos utilizados atualmente para tratamento no Paraná, com espécies de sementes como cereais de inverno, feijão, soja e milho.

Soluções Tecnológicas
Quatro grandes áreas são foco dos negócios dos centros tecnológicos do Tecpar: Saúde e Meio Ambiente, Tecnologia em Materiais, Medições e Validação e Informações Tecnológicas.


Interessados em conhecer as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Tecpar podem acessar o site portal.tecpar.br/solucoes-tecnologicas.





Medicamentos isentos de prescrição ganham novas regras A Anvisa aprovou regulamento que trata do enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição (MIPs).

A Diretoria Colegiada da Anvisa aprovou, nesta terça-feira (19/7), novas regras para o enquadramento dos medicamentos na lista daqueles que podem ser adquiridos pela população sem prescrição médica. O texto considera sete critérios para enquadramento dos medicamentos como isentos de prescrição (MIP):

  • tempo de comercialização;
  • segurança;
  • sintomas identificáveis;
  • tempo de utilização;
  • ser manejável pelo paciente;
  • apresentar baixo potencial de risco e
  • não apresentar dependência.
A proposta de texto passou por Consulta Pública no ano passado. Na época, cidadãos, representantes da sociedade civil e do setor regulado tiveram 60 dias para enviar contribuições para o texto, que previa a revisão da norma atualmente vigente, a RDC 138/2003.

A ausência de atualização da lista de MIPs descrita na RDC impossibilitou que medicamentos que tivessem perfil de segurança e uso compatíveis com a venda sem prescrição fossem incorporados à categoria de venda.

O relator da matéria, diretor Fernando Mendes, ressaltou que a possiblidade de reenquadramento de alguns medicamentos como MIPs deverá promover uma melhor informação da população sobre o produto.

Segundo ele, brasileiros utilizam medicamentos tarjados sem a prescrição médica. “Porém, se o princípio ativo tem perfil de segurança adequado e a venda passa a ser permitida sem prescrição médica, a empresa fabricante passa a ter a oportunidade de falar diretamente com a população, informando a posologia e alertando sobre contraindicações e advertências”, alega.


A norma deverá ser publicada no Diário Oficial da União nos próximos dias e trará prazos de adequação para que as empresas possuidoras do registro de produtos que sejam reenquadrados como livres de prescrição deverão submeter.

Fonte: portal Anvisa

Ministério da Saúde compra 6,5 milhões de doses de vacinas do Butantan

Em visita ao Instituto Butantan, em São Paulo, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, assinou contratos para compra das vacinas de hepatite A e dTpa. Ao todo, serão destinados R$ 375,6 mi

O Ministério da Saúde adquiriu 6,5 milhões de doses das vacinas contra Hepatite A e dTpa (difteria, tétano e coqueluche) do Instituto Butantan. O contrato foi assinado pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, nesta segunda-feira (18), em visita à sede do instituto, em São Paulo. Ao todo, foram investidos mais de R$ 375,6 milhões para assegurar o abastecimento destas vacinas no Calendário Nacional de Vacinação, disponível para os usuários no Sistema Único de Saúde (SUS). Essas doses começarão a ser distribuídas neste segundo semestre.

A vacina DTPa protege contra difteria, tétano e coqueluche e é ofertada no Calendário Nacional de Vacinação às gestantes e profissionais de saúde. Dessa forma, o Ministério da Saúde busca reduzir a incidência e mortalidade causada pela doença entre os recém-nascidos. A recomendação do Ministério da Saúde é para aplicação da dose entre as 27ª e a 36ª semanas de gestação – período que gera maior proteção para a criança, com efetividade estimada em 91%. Entretanto, a dose também pode ser administrada até, no máximo, 20 dias antes da data provável do parto. Já a Hepatite A é ofertada para crianças de 15 meses, em dose única.

Ainda em visita ao Butantan, o ministro visitou os laboratórios de produção da vacina contra influenza, de hemoderivados, de soros hiperimunes e monoclonais. Ricardo Barros, também, conhecerá o local onde está sendo desenvolvida a terceira e última fase da pesquisa clínica para a vacina contra a Dengue, a qual o Ministério da Saúde já destinou mais de R$ 66 milhões. Até agosto a pasta enviará a última parcela que completa o montante de R$100 milhões, acordados em fevereiro deste ano com o instituto.

O Instituto Butantan fornece tecnologias exclusivamente ao Ministério da Saúde e as demais entidades do Sistema Único de Saúde (SUS), com destaque para o fornecimento de soros (antibotrópico, antibotrópico-crotálico, antibotrópico-laquético, anticrotálico, antielapídico, antiaracnídico, antiescorpiônico, antilonômico, antidiftérico, antitetânico, antibotulínico AB, antibotulínico E e antirrábico) e das seguintes vacinas: tríplice (difteria, tétano e pertussis) DTP, dupla (difteria e tétano) adulto e infantil, Influenza Sazonal trivalente, Hepatite A, HPV, Hepatite B e raiva Vero.

Atualmente, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) distribui cerca de 300 milhões de imunobiológicos anualmente, dentre vacinas e soros, além de oferecer à população todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no Calendário Nacional de Vacinação.

É importante destacar que, nos últimos cinco anos, o orçamento do PNI cresceu mais de 140%, passando de R$ 1,2 bilhão, em 2010, para R$ 2,9 bilhões, em 2015. Além disso, os contratos do Ministério da Saúde com os laboratórios produtores de vacinas estão em andamento e os pagamentos em dia.

PROADI – Ainda em São Paulo, o ministro Ricardo Barros se reuniu mais cedo com representantes dos seis hospitais de excelência que participam do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS). No encontro, que foi realizado no Hospital Sírio Libanês, os gestores dos hospitais Albert Einstein, Alemão Oswaldo Cruz, do Coração (HCOR), Moinhos de Vento e Samaritano, além do Sírio Libanês, apresentaram alguns dos projetos do PROADI ao ministro da Saúde.

O PROADI-SUS foi criado em 2009 para possibilitar que as entidades de saúde de referência assistencial participem do desenvolvimento do SUS. Atualmente, são 113 projetos em execução nos seis hospitais de excelência, totalizando cerca de R$ 1,737 bilhão em isenções fiscais entre os anos de 2015 e 2017. Estes projetos estão ligados a diversas áreas do SUS, como a Atenção Primária e a Alta Complexidade, e contemplam ainda a qualificação e o aprimoramento da gestão, inovação científica e tecnológica, a capacitação dos profissionais e de trabalhadores do SUS.

Após o encontro no Sírio Libanês, o ministro se reuniu com o Conselho Superior de Responsabilidade Social (CONSOCIAL) e membros do Comitê da Bioindústria - BioBrasil, na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

Por Victor Maciel, Fábio Ruas e Alexandre Penido, da Agência Saúde
Atendimento à Imprensa
(61) 3315-3580 / 3174 / 3713


Vital Brazil promove Férias Científicas gratuitas

As inscrições começam no dia 18, para crianças de 8 a 10 anos

Para os papais de plantão, uma boa programação para a criançada nas férias de agosto: a partir de 18 de julho, estarão abertas as inscrições para as Férias Científicas do Instituto Vital Brazil. A atividade é gratuita e o objetivo é promover a divulgação científica para o público infantil de forma descontraída e enriquecer as atividades educacionais da criança.

São oferecidas 20 vagas para crianças de 8 a 10 anos. Para inscrição, o responsável deverá se dirigir ao Centro de Estudos do Instituto Vital Brazil, de 9h às 11h ou de 14h às 16h, com documento de identidade, CPF e cópia da certidão de nascimento da criança, além de duas garrafas PET 2 litros com tampa e jornal para uso nas atividades. As crianças que participaram das últimas edições não poderão se inscrever.

As Férias Científicas serão realizadas entre os dias 8 e 11 de agosto, de 14h às 16h30. A programação envolve aulas sobre cobras, aranhas e escorpiões, cadeia alimentar, produção de soros, além de visitas a diversos espaços do Instituto como o serpentário, aracnário e o biotério.

O Instituto Vital Brazil é uma empresa de ciência e tecnologia do Governo do Estado do Rio de Janeiro ligado à Secretaria de Estado de Saúde. É um dos 21 laboratórios oficiais brasileiros e um dos quatro fornecedores de soros contra o veneno de animais peçonhentos para o Ministério da Saúde. Fica na Rua Maestro José Botelho, 64, Vital Brazil, em Niterói.

Thaís Marini
+55 (21) 98596-6823 / 99662-2965

Fabíola Mar



Serviço da Funed garante prevenção e diagnóstico precoce de casos suspeitos de intoxicação em Agentes de Saúde

Durante períodos de maior incidência de dengue e outras doenças causadas pelo Aedes aegypti, a pulverização de inseticidas torna-se mais constante para combater os focos do mosquito. Os agentes de saúde, profissionais responsáveis pela aplicação desta substância, podem sofrer intoxicação durante o processo e, por definição do Ministério do Trabalho, devem fazer um exame para controle, chamado de Colinesterase Plasmática, oferecido pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).

O Serviço de Bioquímica (SBQ), pertencente ao Instituto Octávio Magalhães (IOM) da Fundação, é responsável pela análise das amostras recebidas, atendendo ao Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, do Ministério da Saúde. Meire Soares, chefe do Serviço, explica como funciona esse processo. “Recebemos as demandas de 853 municípios de Minas Gerais e o médico do trabalho de cada Secretaria Municipal de Saúde avalia a necessidade de realização do exame. Só depois, então, a amostra sanguínea do paciente é encaminhada para a Funed e, no prazo de até oito dias úteis, liberamos o resultado no Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), uma plataforma que disponibiliza as especificações de cada exameonline”, disse.  Com uma média de 300 exames realizados mensalmente, o SBQ é de grande importância para a segurança desses profissionais da saúde. Segundo Meire, “o Serviço, monitorando o nível da Colinesterase Plasmática, consegue garantir a prevenção e o diagnóstico precoce de casos suspeitos de intoxicação. A partir dele, também pode ser verificada a frequência de utilização dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s), que previnem esses incidentes e oferecem mais segurança ao trabalhador”.

Sobre a possibilidade de intoxicação durante o processo de pulverização dos inseticidas, é importante ressaltar que o risco não se estende aos cidadãos que entram em contato com esta forma de combate ao Aedes aegypti. Meire esclarece que “os agentes de saúde, por estarem mais próximos aos produtos químicos, compostos por organofosforados e/ou carbamatos, podem se intoxicar pela constante inalação e contato.” Além disso, acidentes podem ocasionar problemas à saúde daqueles que os manipulam, como derramamento dos produtos, por exemplo.

Intoxicação
De acordo com um levantamento feito em 2014, entre os 2.859 exames realizados pelo SBQ, cerca de 39 resultados apontaram nível abaixo do recomendado, representando possível contaminação. O que parece ser pouco representativo torna-se um alerta: “Essa análise vai além do diagnóstico. Por ser um monitoramento da saúde e segurança de cada trabalhador, devemos considerar o número um quantitativo considerável”, afirma Meire.

Ainda sobre a contaminação, Meire ressalta a importância de detectar a real causa dos baixos níveis da Colinisterase Plasmática. “A baixa concentração dessa enzima no sangue pode ser decorrente de outras doenças, como hepatite, cirrose e insuficiência cardíaca. Quando conseguimos identificar a origem do problema, o tratamento é melhor direcionado e torna-se mais eficaz”, esclarece.

A enzima Colinesterase Plasmática é de grande importância para o funcionamento do corpo humano, já que é responsável por regular os impulsos nervosos. A intoxicação por inseticidas degrada essa enzima no sangue, provocando o acúmulo da acetilcolina na junção neuromuscular e na sinapse nervosa. Como consequência, a pessoa pode ter desde náuseas e fraqueza muscular, numa intoxicação mais leve, até arritmias, paralisias e convulsões, num quadro mais avançado.

Descentralização
Para melhorar o atendimento aos municípios solicitantes dos exames, a Funed já está finalizando o processo de descentralização desta metodologia de análise. Para isso, foram adquiridos e transferidos cinco equipamentos, que auxiliam no diagnóstico de uma possível intoxicação, para os laboratórios macrorregionais de Uberaba, Pouso Alegre, Juiz de Fora, Montes Claros e Teófilo Otoni. De acordo com Meire, “essa descentralização contribui para a rapidez na entrega de resultados e amostras, já que o acesso é facilitado. Além disso, com menos demanda de exames, a Funed fica mais disponível para o desenvolvimento de novas metodologias”.

Obrigatoriedade dos exames
A realização da análise é feita através de uma pactuação com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) e a Funed, atendendo a Nota Técnica N°08/2007 – CGLAB – CGPNCD/SVS/MS e a NR 7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, da Portaria N°- 3.214, de 08/06/1978, do Ministério do Trabalho que estabelece a obrigatoriedade da realização deste exame.






Tecpar adquire equipamento que traz mais eficácia na análise de metais pesados em alimentos

Determinar a presença de metais pesados em alimentos requer técnicas avançadas de análises. O Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que há décadas faz ensaios laboratoriais na área de saúde e meio ambiente, adquiriu um novo equipamento para acelerar o processo de digestão de amostras, etapa necessária para quantificar os metais pesados, que além de ser mais rápido oferece mais segurança aos profissionais.

O equipamento foi instalado no Centro de Tecnologia em Saúde e Meio Ambiente do Tecpar e agora os colaboradores do setor participam de um treinamento para operá-lo de maneira correta. Esse aparelho permite verificar a existência de metais pesados em amostras de solos, fertilizantes e alimentos, por exemplo.

O equipamento é um digestor de amostra assistido por energia microondas. Nos procedimentos de digestão convencionais, o processo é relativamente lento pois depende que o ácido alcance a sua temperatura de ebulição, explica a gerente do centro, Daniele Adão.

Segundo ela, isso não ocorre no equipamento digestor de amostra porque quando a energia de microondas é aplicada à amostra e ao ácido, depositados em vasos fechados, a pressão do frasco aumenta e, consequentemente, o ponto de ebulição do ácido também aumenta. “Isso reduz dramaticamente o tempo de digestão de horas para minutos. Com isso, podemos oferecer aos clientes do Tecpar maior agilidade e confiabilidade nas análises realizadas em amostras ambientais, biológicas e de alimentos”, salienta Daniele.

Além de realizar os ensaios analíticos de maneira mais rápida e possibilitar a verificação da presença de metais pesados em níveis extremamente baixos, o novo equipamento traz benefícios à segurança dos profissionais que o operam. “Como o sistema é fechado, ele evita a perda de elementos voláteis e, com isso, não há a liberação de vapores ácidos no ambiente do laboratório”, pontua.

Soluções Tecnológicas
Quatro grandes áreas são foco dos negócios dos centros tecnológicos do Tecpar: Saúde e Meio Ambiente, Tecnologia em Materiais, Medições e Validação e Informações Tecnológicas.


Interessados em conhecer as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Tecpar podem acessar o site portal.tecpar.br/solucoes-tecnologicas.

Tecpar apresenta experiência em energias renováveis em audiência pública na Alep

A experiência do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar) à frente do Projeto Smart Energy Paraná foi apresentada durante a audiência pública realizada na Assembleia Legislativa, na manhã desta segunda-feira (11), para debater novas formas de gerar e distribuir energia no estado.

Por iniciativa dos deputados José Carlos Schiavinato (PP) e Tião Medeiros (PTB), a Assembleia realizou a audiência pública no seu Plenarinho, para trazer especialistas de vários segmentos da sociedade para debater a “Otimização Pública das energias solar, eólica, biomassa e outras no Estado do Paraná”.

A proposta já tramita no Legislativo desde o ano passado, com o projeto de lei número 378/2015, de autoria do presidente da Comissão Executiva, deputado Ademar Luiz Traiano (PSDB). O projeto institui benefícios para incentivar o aproveitamento de energia elétrica produzida por microgeradores e minigeradores e propõe a isenção de ICMS como forma de estímulo a esse tipo de geração e distribuição de energia.

Traiano lembrou que a nova legislação na área de energias renováveis vai promover um grande avanço ao Paraná, em especial devido à contribuição de especialistas à proposição. "O mundo exige cada vez mais soluções para a produção e distribuição de energias renováveis. Vamos promover no estado uma legislação que seja eficiente e que oportunize um novo momento para o Paraná", ressalta o presidente da Comissão Executiva.

O diretor-presidente do Tecpar, Júlio C. Felix, foi um dos especialistas convidados para participar da audiência pública e apresentou a experiência do instituto à frente do Projeto Smart Energy Paraná, criado por meio do Decreto 8.842/13, do governador Beto Richa.
Entre os objetivos do projeto estão a promoção da adequação da rede de energia elétrica convencional em rede inteligente e a disseminação da geração distribuída por fontes de energias renováveis, além da sensibilização da sociedade na utilização dessas novas tecnologias e a consolidação da competência do Estado do Paraná em geração distribuída, por fontes de energias renováveis conectadas a redes inteligentes.

Felix pontuou que investir em produção de energia renovável é um vetor de desenvolvimento econômico e social ao estado. “Mas não podemos só pensar na produção, devemos focar ainda na distribuição da energia. Leis como a debatida na Assembleia trazem segurança jurídica ao estado, para que possamos pensar no planejamento de longo prazo da gestão elétrica paranaense”, destaca.



Ciência em Movimento visita a cidade de Florestal


A cidade de Florestal, pertencente à Região Metropolitana de Belo Horizonte, e que está localizada a cerca de 68 km da capital, será o próximo município a receber o Programa Ciência em Movimento (PCM), da Fundação Ezequiel Dias (Funed). A equipe do programa, que acompanha o caminhão e leva conhecimento científico e tecnológico para as comunidades, irá desembarcar na cidade no dia 12 de julho, durante a 47ª Semana do Produtor Rural; permanecendo até o dia 14, na Universidade Federal de Viçosa.

O Programa Ciência em Movimento foi criado em 2012, pela Funed, com o objetivo de difundir e popularizar a ciência por todo o estado. O caminhão leva conhecimento científico e tecnológico, através de linguagem lúdica e popular, estabelecendo uma relação de diálogo entre os pesquisadores e a sociedade e entre ciência, saúde e cultura.

Durante a visita à Florestal haverá exposições sobre animais peçonhentos e reciclagem, com a participação da Gestão Ambiental da Funed.

No ano de 2015, mais de 36 mil pessoas visitaram as 20 exposições itinerantes, realizadas em 15 cidades mineiras. Neste ano, esta será a quarta exposição do PMC, que já passou por Itaobim, Coronel Murta, Montes Claros, Espera Feliz e Chapada Gaúcha.

 

Vendas de impressora 3D da Werker, incubada na Intec, superam em 50% o esperado

Após um mês de lançamento da impressora 3D de baixo custo voltada à indústria brasileira, a Werker, empresa participante da Incubadora Tecnológica do Tecpar (Intec), já contabiliza seus primeiros resultados: uma venda de equipamentos 50% superior ao previsto na definição da estratégia.

O equipamento desenvolvido pela empresa foi lançado no início de junho, durante o "XXI Workshop Intec", que nesta edição teve como tema "Tendências de Tecnologia: Caminhos para Empreender". O produto chegou ao mercado com um custo 25% menor que a de seus concorrentes, com preço de lançamento de R$ 4,6 mil. Após o lançamento, o produto está sendo vendido por R$ 4.990.

O resultado animou os sócios da empresa, José Fárlei e Thiago Schultz, que agora se preparam para começar as entregas das encomendas no mês de agosto. "Outro ponto que superou as expectativas foi o retorno de possíveis clientes e pedidos para ver o equipamento funcionando. Após o lançamento do equipamento no Workshop da Intec, a marca Werker passou para outro patamar, deixando de ser uma empresa desconhecida", comemora Fárlei.

Após o lançamento do produto, a incubada passou para a modalidade residente, quando a empresa recebe o apoio da Intec com a sede dentro do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). O gerente da incubadora, Gilberto Passos Lima, pontua que agora o foco do apoio à Werker está na operação. "Agora vamos apoiá-los mais na gestão de produção, para que os equipamentos sejam produzidos de maneira eficiente e com um bom plano logístico para as entregas", salienta.

Impressora
A W1 – Basic apresenta funcionalidades que atendem tanto a indústria, como apoio ao desenvolvimento de novos produtos, quanto a “hobbystas”, aqueles que têm como hobby desenvolver produtos em casa com a impressora 3D. A impressora utiliza tecnologia FDM (Fused Deposition Modeling), tem conexão USB e usa como insumo filamento de PLA, um polímero biodegradável feito com fontes naturais, como milho ou cana-de-açúcar. Esse polímero natural consome menos energia elétrica, porque não necessita de mesa aquecida, possibilitando trabalhar com temperatura menor na extrusão do filamento.
Saiba mais sobre a W1 – Basic pelo site werker3d.com.br/impressora3d.

Intec
Empreendedores que queiram participar do programa de incubação do Tecpar podem fazer, ao longo do ano, a inscrição para concorrer a uma vaga em uma das duas unidades da Intec, em Curitiba e em Jacarezinho. São ofertadas vagas para a modalidade residente (quando a empresa fica nas dependências da Intec) e para a incubação não residente, quando o empresário não se instala na incubadora, mas conta com o apoio dos especialistas do instituto.

Podem participar do processo de seleção pessoas físicas, como universitários, pesquisadores e empreendedores que tenha um negócio inovador, ou ainda pessoas jurídicas.

Ao longo de 27 anos, a Intec já deu suporte tecnológico a mais de 90 companhias. No momento, cinco empresas passam pelo programa de incubação: Beetech/Beenoculus, LOT América, Werker, i9algo e Invento Engenharia.


Conheça a Intec pelo site intec.tecpar.br/comoincubar.


Ministério da Saúde confirma 1.656 casos de microcefalia

O informe semanal reúne as informações encaminhadas pelas secretarias estaduais de saúde até 2 de julho. Outros 3.130 casos permanecem em investigação 

O Ministério da Saúde divulgou, nesta quinta-feira (07), novos dados de microcefalia. Até 2 de julho, foram confirmados 1.656 casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivos de infecção congênita em todo o país. Outros 3.130 casos suspeitos de microcefalia em todo o país permanecem em investigação pelo Ministério da Saúde e os estados.

Desde o início das investigações, em outubro do ano passado, 8.301 casos foram notificados ao Ministério da Saúde. Destes, 3.515 foram descartados por apresentarem exames normais, ou por apresentarem microcefalia ou malformações confirmadas por causa não infecciosas. Também foram descartados por não se enquadrarem na definição de caso.

Do total de casos confirmados, 255 tiveram confirmação por critério laboratorial específico para o vírus Zika. O Ministério da Saúde, no entanto, ressalta que esse dado não representa, adequadamente, a totalidade do número de casos relacionados ao vírus. A pasta considera que houve infecção pelo Zika na maior parte das mães que tiveram bebês com diagnóstico final de microcefalia. Os 1.656 casos confirmados em todo o Brasil ocorreram em 588 municípios, localizados em todas as unidades da federação e no Distrito Federal.

Em relação aos óbitos, no mesmo período, foram registrados 334 óbitos suspeitos de microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central após o parto ou durante a gestação (abortamento ou natimorto) no país. Isso representa 4% do total de casos notificados. Destes, 92 foram confirmados para microcefalia e/ou alteração do sistema nervoso central. Outros 184 continuam em investigação e 58 foram descartados.
O Ministério da Saúde ressalta que está investigando todos os casos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso central informados pelos estados, além da possível relação com o vírus Zika e outras infecções congênitas. A microcefalia pode ter como causa, diversos agentes infecciosos além do Zika, como Sífilis, Toxoplasmose, Outros Agentes Infecciosos, Rubéola, Citomegalovírus e Herpes Viral.

A pasta orienta as gestantes adotarem medidas que possam reduzir a presença do mosquito Aedes aegypti, com a eliminação de criadouros, e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida e utilizar repelentes permitidos para gestantes.
Distribuição dos casos notificados de microcefalia por UF, até 02 de julho de 2016



Regiões e Unidades Federadas
Casos de Microcefalia e/ou malformações, sugestivos de infecção congênita
Total acumulado1 de casos notificados de 2015 a 2016

Em investigação
Confirmados 2,3
Descartados4
Brasil
3.130
1.656
3.515
8.301
Alagoas
67
77
181
325
Bahia
659
265
251
1.175
Ceará
175
125
221
521
Maranhão
89
131
62
282
Paraíba
262
148
479
889
Pernambuco
489
367
1.173
2.029
Piauí
14
89
73
176
Rio Grande do Norte
261
113
66
440
Sergipe
74
114
54
242
Região Nordeste
2.090
1.429
2.560
6.079
Espírito Santo
85
14
61
160
Minas Gerais
64
13
55
122
Rio de Janeiro
286
83
168
537
São Paulo
290a
10b
179
479
Região Sudeste
725
110
463
1.298
Acre
11
2
27
40
Amapá
1
7
3
11
Amazonas
12
8
5
25
Pará
45
1
0
46
Rondônia
5
5
7
17
Roraima
5
10
11
26
Tocantins
59
17
88
164
Região Norte
138
50
141
329
Distrito Federal
2
6
39
47
Goiás
50
14
81
145
Mato Grosso
89
31
120
240
Mato Grosso do Sul
3
5
14
22
Região Centro-Oeste
144
56
254
454
Paraná
2
4
31
37
Santa Catarina
2
1
5
8
Rio Grande do Sul
29
6
61
96
Região Sul
33
11
97
141

  1. Número cumulativo de casos notificados que preenchiam a definição de caso operacional anterior (33 cm), além das definições adotadas no Protocolo de Vigilância (a partir de 09/12/2015) que definiu o Perímetro Cefálico de 32 cm para recém-nascidos com 37 ou mais semanas de gestação e demais definições do protocolo.
  2.  Apresentam alterações típicas: indicativas de infecção congênita, como: calcificações cerebrais, alterações ventriculares e de fossa posterior entre outros sinais clínicos observados por qualquer método de imagem ou identificação do vírus Zika em testes laboratoriais.

  3. Foram confirmados 255 casos por critério laboratorial específico para vírus Zika (técnica de PCR e sorologia). Em relação a SE 25, houve redução do número de casos confirmados pelo critério laboratorial em virtude do Estado de Pernambuco ter retificado o quantitativo de casos confirmados por esse critério;

  4. Descartados por apresentar exames normais, por apresentar microcefalia e/ou malformações congênitas confirmada por causas não infecciosas ou por não se enquadrar nas definições de casos.

  5. a. Conforme informado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”, da Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo, 290 casos encontram-se em investigação para infecção congênita. Desses, 38 são possivelmente associados com a infecção pelo vírus Zika, porém ainda não foram finalizadas as investigações. 
  1. b. 01 caso confirmado de microcefalia por Vírus Zika em recém-nascido com local provável de infecção em outra UF.

Atendimento à Imprensa
(61) 3315-3580/ 2745